sábado, 26 de maio de 2012

10 JOGOS "INDIES" PARA VOCÊ SE DIVERTIR!

Nos últimos anos, os produtores independentes de jogos têm criado verdadeiras obras de arte. Alguns jogos alcançaram sucesso tão grande, que as grandes empresas do ramo acabaram contratando seus criadores ou comprando seus direitos autorais e de distribuição.

Para o restinho deste ano de 2012, temos muitas novidades dessa vertente, como os jogos do indie GRYZOR, já mostrados neste blog. Eis então, 10 bons jogos indies que valem a pena jogar: A ordem apresentada é aleatória, não há uma conotação de melhor ou pior.

1 - HYPER WARS - The Mega Firestorm - Os gráficos desse jogo lembram os jogos de Game Boy monocromático. De autoria do estúdio Pixel Prospector, esse jogo é muito simples, bonito e divertido de se jogar. O esquema é simples, bem ao estilo Game Boy: um botão para tiro e setas para controlar. O objetivo? Destruir tudo o que vier pela frente. Simplesmente clássico. As telas entre fases mostram animações e diálogos muito divertidos, cheios de palavrões apimentados e frases de efeito. Os chefões são bem duros de matar, e, digamos, chegar até eles já é um trabalho bem difícil, heheh! O jogo ainda tem um esquema de seleção de cores, para mudar a cor dominante, que varia entre amarelo, sépia, verde e cyano.

 Olha só! Novo jogo para Game Boy! - É mentira! É um jogo indie!

Um piloto muito escroto, com uma boca muito suja - mas o jogo incrivelmente divertido!

 
Download: http://www.pixelprospector.com/hyper-wars-the-mega-firestorm/

2 - ABSOLUTE BLUE - Distribuído pelo mesmo estúdio Pixel Prospector, esse "shooter" horizontal é bem divertido, tem ótimos gráficos e contém vários elementos clássicos do gênero, como "power-ups", passagens estreitas, muitos inimigos, e uma história bacaninha. A versão completa custa cerca de €4.99.

Uma das belas fases do jogo

 Bela arte da tela título

 
ou 

3 - AERO FLUX - Feito em Game Maker, este jogo, ainda em produção, parece uma mistura de jogo de nave com RPG, devido aos gráficos característicos daquele gênero de jogo. Mas as semelhanças páram por aí. O jogo tem boa trilha sonora, excelentes gráficos "animadinhos", mulheres sensuais, chefões aloprados, muita bala na tela e todas essas coisas que nos fazem gostar de jogos de nave, hehehe! Pelo sotaque do narrador do video, o qual creio ser o autor, trata-se de uma produção francesa.

Uau!

Mamma mia!

Corre, Bino!

Escolha sua garota!

Pegue bala!

Que danado é esse bicho feio?

 

4 - CHAOS STREAM - Esse jogo é odiado por uns e amado por outros. Seus gráficos são compostos por elementos de texto, em ASCII, como se fosse feito em Basic ou DOS. Logo, quem está acostumado aos hiper-mega-super gráficos 3D renderizados simplesmente torce o nariz para jogos que não sigam essa tendência. Mas isso é um fato que não esmorece os verdadeiros amantes dos jogos de nave, porque o que importa é o conjunto da obra e não apenas a sua aparência. Em jogos, apenas a beleza não põe mesa. E mesmo assim, o jogo não é feio, apenas diferente. É um jogo vale a pena conhecer. O jogo foi desenvolvido pela Stargoat Games (Melbourne, Victoria - Australia).

 Olha a onda!

Inimigos muito loucos!

Chefes durões!


5 -  ALIEN ASSAULT - Mais um belo jogo pixelado. Jogadores "hardcore" considerá-lo-ão muito fácil,. Talvez seja um jogo mais adequado para quem só joga ocasionalmente. Independentemente disso, a apresentação geral  e polida do jogo (com as suas raízes firmemente plantadas em épocas retro) é cativante.

Os aliens estão chegando!

Bobeou, dançou!

 

6 -  PROJECT F-60 - Outro jogo de visual retrô, segue bem a linha de clássicos como Gradius e Thunder Force, porém, sem a agressividade daqueles. O ritmo do jogo é calmo, a dificuldade é mediana. A trilha sonora é adequada ao estilo de jogo, sem maiores surpresas.



ou

7 - SATAZIUS - O cruzador Agano estava em patrulha quando foi atacado e atingido por uma confederação de piratas espaciais que haviam estabelecido uma base em SATAZIUS. Os piratas atacaram o Agano com a intenção de roubar a nave de assalto "Trafalgar" que estava guardada a bordo do Agano, mas a Trafalgar fez uma saída de emergência bem-sucedida. É um jogo muito difícil se você é novato no gênero, tornou-se um clássico! Distribuído com apoio da Capcom, esse é um excelente jogo horizontal. Muitas armas, muitos inimigos, velocidade alucinante, dificuldade gradativa, gráficos empolgantes, não adianta explicar, JOGUE! A versão completa custa U$ 5,99 na Capcom Store. Mas antes de encarar a missão, você precisará dos seguintes pré-requisitos:

Hardware
-OS: Windows 7 Home Premium x64 (também roda no XP)
-MB: Gigabyte GA-MA770T-UD3
-CPU: AMD Phenom II X4 965 3,4GHz
-GPU: Gainward GeForce GTX 570 Phantom (eu uso uma GeForce 7300-SE)
-RAM: G-Skill 4x2GB DDR3 1333MHz (testei com um único pente de 2gb e rodou bem)

 Robôs gigantes! Uuuuiaa!

Explosões pavorosas!

Chefes desafiadores!

 

8 - SUPER EUROJETSuper Eurojet é um "shoot-em-up" 2D ao estilo de Gradius e R-Type, onde o jogador controla um jato voando que viaja através de enxames de fogo inimigo. Super Eurojet foi criado em três dias por Eric Ruth Games e foi lançado no verão de 2008. Feito em Game Maker. Possui incrível trilha sonora, muita gente aí na sua casa vai dançar, enquanto você manda chumbo quente nos inimigos!!
 
 Ai, ai, ai, ai, ai....


9 - SPACE IMPAKTO - Creio que tudo oque eu disse sobre SATAZIUS aplica-se perfeitamente a esse jogo.

Rodando no Nintendo DS


A versão para PC não tem som...

 

10 - RAZOR 2 - HIDDEN SKIES - O ano é 2027. A Amazônia não resistiu aos constantes desmatamentos e com a pior a do clima a nossa floresta se transformou num deserto. Além disso, fomos invadidos por diversas outras superpotências e agora só nos resta uma única alternativa: enfrentar a tudo e a todos para recuperar as bases em território nacional.

Esta é a trama do jogo Razor 2: Hidden Skies, jogo de tiro e naves espaciais criado por uma equipe de brasileiros e disponível para download em versão DEMO. Com uma trilha sonora orquestrada inspirada em Star Wars, o jogo lembra outros belos títulos da época dos 16 bits, mas com gráficos e visual refinados.
A instalação do game é simples. Basta fazer o download do aplicativo e dar um duplo clique sobre o arquivo executável. Um ícone de atalho é criado na área de trabalho. A versão DEMO disponibiliza apenas uma fase para o usuário. É pouco, mas é o suficiente para conhecer o estilo do jogo e um pouco de sua jogabilidade.

Belíssimo visual

Lembra um pouco Star Sword...

 

Longe de querer dar conotação a um ou a outro jogo, como sendo melhor ou pior, aí estão dez bons jogos para divertir a família.

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Amostra fenomenal de habilidade: ESPGaluda Overheat

Depois de uma amostra fenomenal de habilidade em Judgement Silversword, Sapzdude ataca novamente desta vez mostrando suas extraordinárias habilidades em ESPGaluda em overheat.

Mas o que é overheat? E ESPGaluda? Calma, vamos por partes, como diria Chico Picadinho. ESPGaluda é um shmup vertical da Cave que saiu para arcade e PS2, ademais, é um jogo muito bom e altamente recomendado por 9 entre 10 jogadores de shmups, estatística minha mesmo.

Uma das características mais marcantes neste jogo é a possibilidade de deixar os tiros inimigos mais lentos por um tempo determinado, recurso este limitado pela quantidade de gemas que você coleta, bom, independentemente do quanto foi coletado, você aciona o modo kakusei, ou awakening (despertado), com um botão. Sim, por algum motivo desconhecido os personagens deixam aflorar seus sexos opostos, no Brasil é chamado de "sair do armário".

Findada as suas gemas em estoque e caso você ainda esteja em modo kakusei, você entra em overheat, onde os tiros ficam muito rápidos, e é justamente neste modo, pelo menos em grande parte do jogo, que Sapzdude faz um magistral 1CC. Bom chega de papo e aprecie o vídeo.


quinta-feira, 10 de maio de 2012

Inventário XBLIG - MAR/ABR 2012

Os meses de Março e Abril não foram muito benevolentes conosco na plataforma XBLIG.

Mas talvez algum dos joguinhos seja de seu agrado, quem sabe? Vamos a eles, dos mais antigos para os mais novos:

Starfighter 2-9 (lançado em 4-MAR-2012, 80 MSP)
Mais um arena fixo com controles estilo twin stick. A nave é desenhada de um jeito estranho, e o joguinho não tem nada que vá além da ideia de sobreviver o quanto você puder a ondas e mais ondas de inimigos.
Alguém acha que precisamos de mais uma porcaria dessas?
Eu não.




Attanck! 3 (lançado em 8-MAR-2012, 80 MSP)
Tudo em Attanck!3 é feito com caracteres ASCII, no que parece ser obra de um super computador dos anos 80 que ficou louco e começou a criar um exército digital assassino. O objetivo de cada fase é passar pelos inimigos no terreno desenhado e chegar à saída.
No papel parece ser interessante, mas não há nada na execução que consiga impressionar. O tanquinho não parecer ter poder de fogo suficiente e é muito ruim de ser controlado, pois você precisa movimentar os dois controles analógicos.
Eu passo.

TurboRocket 4 (lançado em 10-MAR-2012, 80 MSP)
De novo?
Parece que o objetivo da "produtora" é desovar um novo TurboRocket a cada mês. Neste aqui os gráficos parecem ter ganhado um pouco mais de cor, e a música abandonou o estilo de enterro de fim de tarde. De resto a baboseira é a mesma, ou seja, navegue por um labirinto atirando em flocos de inimigos e pegando bolotas coloridas. Encoste numa parede sequer e ganhe um GAME OVER. Não conte com nenhum sistema de score.
Se você acha que pode tolerar a tortura, diz o material de divulgação que há 8 fases para serem desfrutadas.

Redshift (lançado em 10-MAR-2012, 80 MSP)
Redshift é um bullet hell minimalista de tons exclusivamente avermelhados que tenta ensinar os jogadores como se aproximar de um jogo do estilo. Os inimigos são gerados aleatoriamente ao longo de mais de 500 fases de dificuldade progressiva, e o jogador conta com um recurso para reduzir a velocidade das balas e proporcionar melhores chances de sobrevivência.
O joguinho é interessante apesar do vermelho encher o saco depois de um tempo, e um pouco difícil para iniciantes. O importante é que o resultado é razoavelmente divertido.
Iron Core 4 (lançado em 10-MAR-2012, 80 MSP)
Onde estão as partes 2 e 3? Nosso radar captou somente o primeiro Iron Core, que já não era lá grande coisa. Talvez esse quatro aí seja um expoente matemático, só pode. O estilo permanece o mesmo vertical widescreen, mas os controles parecem ter sido melhorados. É uma pena que a ação ainda continue amarrada pelos tiros limitados e pelo estilo sem muita identidade do jogo.
A música é até interessante, mas no geral não há nada muito empolgante na jogabilidade.
Birth Order (lançado em 11-MAR-2012, 80 MSP)
Graficamente bem acabado, o horizontal Birth Order vem com uma premissa inédita para um jogo de nave. Cada inimigo só pode ser eliminado por um botão específico no controle (A, B, X ou Y). Há um sistema de chaining baseado nos itens coletados e upgrades a serem obtidos com as cartas encontradas ao longo das 12 fases.
A nave é cheia de pontas e um pouco grande para o padrão normal do gênero, mas o estilo é bonitão e atraente. Definitivamente vale um teste.
Robofish (lançado em 15-MAR-2012, 80 MSP)
Outro jogo multidirecional com controles twin stick, esse pelo menos chama a atenção por não ser uma perda total em matéria de gráficos. Cada botão no controle ativa um padrão diferente de tiro, e a ação até que não é tão inepta no início. O maior problema de Robofish, no entanto, é que as fases duram uma eternidade e praticamente não saem do lugar. Os 16 estágios acabam se tornando, portanto, uma bonita e eficiente máquina do sono.

20 Games to Play with Your Mates (lançado em 20-MAR-2012, 80 MSP)
Isso, gaste 80 Microsoft Points nesta coletânea e chame os colegas para uma noitada de jogatina! Alguém aí sentiu um cheirinho azedo de Action 52? Pois é exatamente disso que esta coletânea parece se tratar, principalmente porque 80% dos jogos está travado e só pode ser vislumbrado se você desembolsar os 80 pontos.
Os dois únicos que consegui testar foram um tal de Forever Wars, mais um clone vagabundo de Geometry Wars, e Not my Brains!, mais um multidirecional livre de vista de topo com zumbis onde você nunca morre, não pode ver sua barra de energia e não há qualquer sistema de pontuação...
Achem-me o endereço do responsável por esta merda que dou um jeito do Djalmão aparecer por lá!

We Are Cubes (lançado em 30-MAR-2012, 80 MSP)
Você é um cubo e a esferas são o inimigo neste vertical inclinado interessante que lembra um pouco Tempest. Os inimigos vão descendo e ricocheteando nas paredes, e a noção de mira é definitivamente mais importante que o inicialmente limitado poder de fogo.
Vale a pena testar se você é daqueles que aprecia jogos de nave mais metódicos ou se você tem uma queda por gráficos poligonais e psicodélicos. Não foi o meu caso, mas vai que é a sua praia?

10 Amazingly Awful Games Volume 2 (lançado em 3-ABR-2012, 80 MSP)
Oh não, mais uma coletânea! E esta aqui não tem vergonha alguma de se autodepreciar já no título (Awful significa Horrível)!
Ironicamente, o título está a anos-luz acima da porcaria acima (20 Games) em matéria de qualidade padrão XBLIG. Além disso, é visível o senso de humor do desenvolvedor, que tem plena consciência dos baixos valores de produção do pacote e não tenta empurrá-lo como a "salvação do ano para os jogos indies". O melhor? A maioria dos jogos é de nave, inpirados em grandes clássicos do gênero e com jogabilidade até decente. São eles:
1. Grid Warrior - inspirado em Space Invaders, os inimigos saem de dois canais laterais enquanto os perigos vão aumentando onda após onda.
2. I Madez a Clone with Zombies Innit! - o obrigatório arena twin stick com zumbis.
3. Lame Invaders 2 - horizontal, clone de Scramble.
4. Nastyroids - clone de Asteroids.
5. Seeker - horizontal, ao estilo de Atomic Robo-Kid.
6. Stormwheel - clone de Spy Hunter.
7. Terror Tunnel - clone interessante de Missile Command
8. Viper Wing - vertical, clone de ninguém (pelo menos não descaradamente).

Ace on Steroids (lançado em 16-ABR-2012, 80 MSP)
Oh meu Deus, mais uma cópia de Asteroids!
A única coisa que muda, aparentemente, são os gráficos.
Minha paciência com esse tipo de clone sem-vergonha já acabou por esse post, sem mais comentários.





Retribution (lançado em 17-ABR-2012, 240 MSP)
Não sei se há algum outro, mas Retribution é o primeiro clone que vejo de Super Stardust HD, completo com o planetinha e os meteoros caindo do espaço.
Apesar da jogabilidade não ser um desastre os gráficos soam mal acabados, principalmente quando comparados à qualidade acachapante do jogo que o inspirou.
Como Super Stardust HD não existe para o Xbox 360 você pode até adotar esse primo mais pobre, mas não espere o mesmo nível de acabamento do concorrente.

League of Planets (lançado em 17-ABR-2012, 80 MSP)
Neste jogo de nave horizontal que faz jus à alcunha dos colegas espanhois para o gênero (matamarcianos), você está no controle de um disco voador e precisa patrulhar a superfície de planetas alienígenas. Há quatro personagens para escolher, e aparentemente todos eles compartilham o mesmo armamento.
Por um lado, os gráficos são razoáveis para um jogo indie. Por outro, a jogabilidade é um desastre, com uma nave rápida demais e difícil de controlar. Custava ter um pouco mais de bom senso ao tratar essas coisas? Se o cenário fosse outro este teria sido com certeza o título mais bacana dessa lista...

Zombies (lançado em 18-ABR-2012, 240 MSP)
Fechemos com chave de ouro este texto, pessoal. Sim, o que está aqui, ao preço de 240 Microsoft Points, é Zombies, mais um jogo multidirecional com vista de topo, controles ruins e sem nenhum sistema de pontuação.
Parem o trem que eu quero descer!
Alguém sabe se existe algum jeito de processar a XBLIG por derretimento cerebral de seus usuários decorrente de saturação temática irreversível?
Chéssuz!!!!


E é isso por hora, pessoal. Infelizmente, nada muito de bombástico apareceu nos dois últimos meses.

Cuidado, Skyfish II - Eat Your Peas é enganação e pode fritar seu cérebro!

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Redux - Dark Matters para Dreamcast via Kickstarter!

Alguém aí já ouviu falar de Kickstarter?

Trata-se de um site que coordena a coleta de fundos para projetos dos mais variados tipos. Se você é fã de jogos de nave e está disposto a colaborar com novos lançamentos mas ainda não conhece o Kickstarter, seus dias de ignorância acabaram.

A NG:DEV.TEAM acaba de lançar o projeto de Redux - Dark Matters, a inesperada sequência para Dux. Lançado exclusivamente para o Dreamcast há dois anos, Dux impressionou pela fluidez e beleza gráfica apesar de ter decepcionado os jogadores hardcore devido a detalhes como o sistema de pontuação falho e a falta de uma opção para não usar continues.


Kickstarter funciona da seguinte forma:
  1. A empresa lança o projeto com um valor X a ser atingido em um número Y de dias;
  2. O projeto especifica quais serão as recompensas a serem dadas às pessoas que decidirem financiá-lo;
  3. As pessoas lançam no sistema o valor que estão dispostas a doar/financiar (pledge) para que o projeto seja levado adiante;
  4. Os cartões de crédito só serão debitados se o valor X em doações for atingido até a data Y.
  5. Se o valor X não for atingido até a data Y nada acontece, e nenhum dinheiro é gasto/debitado.
O que pode sair errado nisso? A dúvida que fica é se a empresa pode dar o cano, correto? Ouvi dizer que isso é muito raro de acontecer, e quando acontece destroi a reputação dos envolvidos. No caso da produtora alemã NG:DEV.TEAM, é preciso lembrar que eles são bem conhecidos dos que acompanham o cenário dos jogos de nave, tendo sido responsáveis por jogos como Last Hope, Fast Striker e Gunlord. Em matéria de reputação, portanto, podem crer que dá pra pôr a mão no fogo.

Redux - Dark Matters deverá ter versões para iOS/iPhone/iPad/iPod Touch (Julho 2012), XBLA/PSN (TBA 2012) e Dreamcast (Dezembro 2012). O objetivo da NG:DEV.TAM é conseguir U$ 25.000 até o dia 8 de Junho, ou seja, o período restante é de 29 dias.

Serão produzidas somente 1.000 cópias da versão para Dreamcast, que virão numa embalagem de disco duplo contendo também a versão 1.5 de Dux - isso mesmo, o prometido CD com melhorias e correções para os bugs do lançamento original. Não era bem essa forma que eu esperava que Dux 1.5 fosse ver a luz do dia, mas tudo bem.

Os níveis de doações do projeto vão de 5 a 1.000 dólares. Para quem está disposto a ter uma das 1.000 cópias que serão produzidas para o Dreamcast o investimento deve ser de U$ 65. Se você quiser adicionar o pacote da (fantástica) trilha sonora original, que vem numa embalagem com 4 CDs, o valor sobe para U$ 100. E caso você tenha mil dólares para gastar recebe também um arcade stick personalizado para o sistema de sua escolha, a trilha sonora autografada pelos músicos e seu nome nos créditos finais do jogo.

Trailer da versão beta de Redux - Dark Matters

Os interessados podem ir direto para a página do projeto:

http://www.kickstarter.com/projects/redux/redux-dark-matters-a-shmup-for-sega-dreamcast

Vamos lá, pessoal, vamos fazer isso virar realidade.

Assim que o prazo de 29 dias expirar voltaremos com mais notícias, sejam elas boas ou ruins!